Instalação

Windows

Os utilizadores do Windows poderão obter o Krita a partir a página Web, da loja do Windows e do Steam. As versões na Loja e no Steam custam dinheiro, mas são funcionalmente idênticas à versão (gratuita) na página Web. Contudo, ambas as versões pagas recebem actualizações automáticas quando surgem novas versões do Krita. Depois da dedução do valor da Loja, o custo da compra ajuda no desenvolvimento do Krita.

Página Web:

A última versão está sempre disponível na nossa página Web.

A página irá tentar recomendar automaticamente a arquitectura correcta (64 ou 32 bits), mas poderá seleccionar «Todas as Versões para Transferência» para obter mais opções. Para determinar manualmente a arquitectura do seu computador, vá a Configuração ‣ Acerca. A sua arquitectura irá aparecer no Tipo de Sistema na secção Especificações do Dispositivo.

O Krita por omissão irá transferir um EXE de instalação, mas também poderá obter um ficheiro ZIP portátil em alternativa. Ao contrário da versão de instalação, esta versão portátil não mostra as antevisões automaticamente no Explorador do Windows. Para obter essas antevisões com a versão portátil, instale também a extensão Extensão da Linha de Comandos do Windows (disponível na página de transferências).

Estes ficheiros também estão disponíveis na pasta de transferências do KDE.

Loja do Windows:

Por um montante baixo, poderá obter o Krita a partir da Loja do Windows. Esta versão necessita do Windows 10.

Steam:

Também por um pequeno montante, também poderá obter o Krita no Steam.

Loja Epic

Também por um pequeno montante, também poderá obter o Krita na Loja Epic.

Para obter uma versão portátil do Krita, vá à pasta de transferências do KDE para obter o pacote ZIP portátil do Krita, em vez do instalador “setup.exe”.

Nota

O Krita precisa do Windows 8.1 ou posterior. A versão da Loja necessita do Windows 10.

Linux

Muitas distribuições de Linux já têm pacotes para a última versão do Krita. Algumas vezes poderá ter de activar um repositório extra. O Krita funciona perfeitamente em qualquer ambiente de trabalho: KDE, Gnome, LXDE, Xfce, etc. – mesmo sendo uma aplicação do KDE e necessitando das bibliotecas do KDE. Poderá também querer instalar o módulo de configuração do sistema do KDE e ajustar o tema e tipos de letra usados, dependendo das suas distribuições.

Extensões de ficheiros do Nautilus/Nemo

Desde Abril de 2016, o gestor de ficheiros Dolphin do KDE mostra as miniaturas do KRA e do ORA por omissão, mas o Nautilus e os seus derivados precisam de uma extensão. Recomendamos as extensões do Moritz Molch para as miniaturas em XCF, KRA, ORA e PSD.

Appimages

Para o Krita 3.0 e posteriores, tente primeiro a AppImage da página Web em primeiro lugar. 90% das vezes esta é de longe a forma mais simples de obter o último Krita. Basta obter a AppImage e depois usar as propriedades de ficheiros ou a linha de comandos do “bash” com o “chmod” para tornar a AppImage executável. Faça duplo-click sobre ela e desfrute do Krita. (Ou execute-o no terminal com o comando ./nome-appimage.appimage)

  • Abra o terminal na pasta onde tem a AppImage.

  • Torne-o executável:

chmod a+x krita-3.0-x86_64.appimage
  • Execute o Krita!

./krita-3.0-x86_64.appimage

As AppImages são ISO’s com todas as bibliotecas necessárias, o que significa que que não existem interferências com os repositórios e dependências, em detrimento da ocupação de um bocado mais de espaço em disco (Sendo que este ficheiro só seria maior se estivesse a usar o Plasma, em primeiro lugar).

Ubuntu e Kubuntu

Não interessa qual a versão do Ubuntu que use; o Krita irá funcionar bem em ambas. Contudo, por omissão, só está disponível uma versão muito antiga do Krita. Deverá usar a AppImage, o Flatpak ou o pacote Snap disponível na loja de aplicações da Ubuntu. Também mantemos um PPA para obter as últimas versões do Krita; poderá ler mais sobre o PPA e as instruções de instalação aqui.

OpenSUSE

As últimas versões estáveis estão disponíveis no repositório KDE:Extra:

Nota

O Krita também existe nos repositórios oficiais; podê-lo-á instalar a partir do Yast.

Fedora

O Krita consta nos repositórios oficiais; podê-lo-á instalar se usar o PackageKit (Adicionar/Remover Aplicações) ou se invocar o seguinte comando no terminal.

dnf install krita

Também poderá usar um centro de aplicações, como o Centro de Aplicações do Gnome ou o Discover para instalar o Krita.

Debian

A última versão do Krita disponível no Debian é a 3.1.1. Para instalar o Krita, escreva a seguinte linha no terminal:

apt install krita

Arch

O Arch Linux oferece o pacote do Krita no repositório Extra. Poderá instalar o Krita se usar o seguinte comando:

pacman -S krita

Também poderá encontrar o “pkgbuild” do Krita nos repositórios de utilizadores do Arch, mas não se garante que tenha a última versão no Git.

Flatpak

Também temos o Flatpak para as versões diárias e estáveis, sendo que estas versões não são mantidas pelos programadores de base propriamente ditos. Tanto poderá obter essas versões a partir da página Web da comunidade do KDE ou dos responsáveis de Manutenção do Flathub. A página Web da comunidade do KDE só fornece versões diárias do Flatpak.

Para instalar a versão Flatpak a partir do centro de aplicações, basta abrir os ficheiros Flatpakrepo com o Discover ou com o centro de aplicações fornecido com a sua distribuição:

Depois de adicionar um dos repositórios acima, poderá então pesquisar pelo Krita, para que o centro de aplicações lhe mostre a versão Flatpak para a instalar.

Se preferir fazê-lo a partir do terminal, poderá usar os seguintes comandos para instalar a versão em Flatpak do Krita

Para o Repositório Flatpak do KDE:

flatpak --user remote-add --if-not-exists kdeapps --from https://distribute.kde.org/kdeapps.flatpakrepo

flatpak --user install kdeapps org.kde.krita-nightly

Para o instalar a partir do Repositório Flathub:

flatpak --user remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

flatpak --user install flathub org.kde.krita

Snaps

Existem pacotes Snap fornecidos pela comunidade de programadores Snap do Ubuntu, sendo que não estão normalmente actualizados. Os programadores do Krita não fornecem ou compilam eles mesmos os pacotes Snap. Para instalar o Krita como um pacote Snap, instale primeiro a aplicação “snapd”. O “snapd” vem instalado por omissão nas distribuições Ubuntu.

Se estiver numa distribuição Ubuntu, então o pacote Snap do Krita poderá aparecer no centro de aplicações ou poderá executar o seguinte comando no terminal

sudo snap install krita

Nota

As versões em Flatpak e Snap não são testadas pelos programadores de base do Krita, pelo que poderá encontrar alguns erros ao executar o Krita que vem com estas versões.

macOS

Poderá obter o último binário, se o desejar, a partir da nossa página Web. Os binários só funcionam com o macOS 10.12 e posteriores.

Código

Embora seja certamente mais difícil de compilar o Krita a partir do código do que é instalá-lo a partir de pacotes pré-compilados, existem certas vantagens que poderão fazer com que isso valha a pena:

  • Poderá seguir o desenvolvimento do Krita praticamente em cima da hora. Se compilar o Krita regulamente a partir do repositório de desenvolvimento, poderá brincar com todas as novas funcionalidades com que os programadores estão a trabalhar.

  • Poderá compilar o código de forma optimizada para o seu processador. A maioria dos pacotes são compilados com o mínimo denominador comum.

  • Irá obter todas as correcções de erros assim que possível.

  • Poderá ajudar os programadores se nos der as suas opiniões sobre funcionalidades, à medida que ambas vão sendo desenvolvidas, podendo testar as correcções de erros por nós. Isto é bastante importante, e é por isso que os nossos responsáveis regulares pelos testes têm o seu nome no campo “Acerca”, tal como os programadores.

Obviamente, existem também desvantagens: quando compilar a partir do repositório de código actual, irá também obter as funcionalidades inacabadas. Isso poderá significar uma menor estabilidade durante algum tempo ou coisas na interface que não funcionam de todo. Contudo, na prática é raro haver uma instabilidade realmente má e, caso exista, será simples para você voltar para uma versão que funcione.

Por isso… Se quiser começar a compilar a partir do código, comece pelas últimas instruções no guia aqui.

Se encontrar algum problema, ou se for novo na compilação de aplicações, não hesite em contactar os programadores do Krita. Existem três canais de comunicação principais: