Obter registos do Krita

Existem três tipos diferentes de registos que o Krita consegue produzir. Dependendo do problema, poderá ser pedido um específico ou todos eles. Esta página indicar-lhe-á como recolher a informação necessária a dar aos programadores do Krita ou aos responsáveis de apoio ao utilizador.

  1. Registo de Utilização do Krita – este registo contém as suas últimas 10 sessões do Krita (uma sessão corresponde a abrir o Krita). Mostra as horas em que o abrir, alguma informação básica sobre o seu sistema e o Krita, e todos os ficheiros que criou, abriu e gravou, incluindo todas as gravações automáticas.

  2. Informação do sistema – isto não é propriamente um registo, mas um ficheiro que contém informação detalhada do sistema relacionada com o Krita.

  3. Registo de estoiros/chamadas – este registo é criado quando o Krita fecha incorrectamente devido a questões internas. Este registo é normalmente necessário para ter uma resolução do problema, caso os programadores não o consigam reproduzir (repita os passos até obter o estoiro).

  4. Resultado da consola do Krita/Visualizador de Registos/DebugView – este registo contém tudo o que de aleatório o Krita tenha a necessidade de reportar. Contém muitas vezes algumas informações adicionais que podem ajudar a resolver o problema.

Acesso rápido

Registo de Utilização do Krita

Através da GUI

A forma mais simples de obter o Registo de Utilização do Krita é através da GUI do Krita. Vá a Ajuda ‣ Mostrar o Registo do Krita para relatórios de erros. Irá aparecer uma nova janela que apresenta o conteúdo do registo.

A partir do sistema de ficheiros

Em alguns casos, não é possível usar a GUI do Krita; por exemplo, quando nem sequer abre. Dado que os registos são ficheiros de texto simples, podê-los-á obter você mesmo a partir do seu sistema de ficheiros.

O ficheiro chama-se krita.log. Localização do ficheiro:

Linux

$HOME/.local/share/krita.log

Windows

%LOCALAPPDATA%\krita.log

macOS

$HOME/Library/Application Support/krita.log

Nota

No Windows poderá simplesmente colar este local no campo de pesquisa do Explorador do Windows, na barra de topo, para que ele procure o ficheiro para si.

Registo de estoiros e de chamadas

A localização e a forma de obter um registo de chamadas é diferente em todos os sistemas.

Windows

Normalmente é suficiente partilhar o conteúdo de Ajuda ‣ Mostrar o Registo do Krita para relatórios de erros, dado que contém o registo de chamadas.

Se não conseguir abrir o Krita por estoirar no arranque, por favor forneça o ficheiro file:%LOCALAPPDATA%\kritacrash.log. Noutros casos, é necessária informação mais detalhada, onde lhe será pedido para seguir cuidadosamente o guia do depurador Dr. Mingw.

Linux

No Linux, existem cinco formas de instalar o Krita.

  • Usando os pacotes da distribuição

  • Compilando você mesmo o Krita a partir do código

  • Usando um pacote do Snap

  • Usando um pacote do Flatpak

  • Usando a AppImage oficial

Só os pacotes das distribuições e os compilados a partir do código-fonte é que conseguem gerar registos de estoiros/chamadas válidos. No caso dos pacotes das distribuições, terá de instalar os pacotes “debug” ou “dbg” correspondentes; o método para tal é diferente de distribuição para distribuição. Se usar os pacotes das distribuições e o ambiente de trabalho Plasma do KDE, será apresentada uma janela com o estoiro que tem o registo de chamadas na página «Programador».

Caso contrário, terá de usar o gdb numa janela do terminal.

  1. Abra o gdb:

    # Se tiver instalado o Krita a partir dos repositórios, poderá ter de escrever apenas 'gdb krita'
    # caso contrário, escreva a localização do executável
    gdb localização/do/krita
    
  2. Desactive a paginação:

    set pagination off
    
  3. Execute o Krita:

    run
    
  4. Faça-o estoirar.

  5. Obtenha o registo de chamadas curto:

    thread apply all bt
    
  6. Obtenha o registo de chamadas detalhado:

    thread apply all bt full
    
  7. Os registos curtos e detalhados de chamadas são gravados em ficheiros de texto separados.

  8. No registo de chamadas curto, recomenda-se que retire todas as tarefas que sejam iguais a outras ou que pareçam não conter nenhuma informação adicional.

    Se achar que sabe qual a parte do registo de chamadas que é mais importante (normalmente é a tarefa com mais elementos), então corte-a e coloque este fragmento no relatório de erros como comentário. Ambos os registos de chamadas serão necessários à mesma: anexe-os também ao relatório de erros.

    Se preferir não tomar essa decisão, basta anexar ambos os ficheiros com registos de chamadas ao relatório do erro.

macOS

No macOS recomenda-se a utilização do lldb.

  1. Abra o Terminal.app

  2. Abra o Krita no lldb:

    lldb /Applications/krita.app/Contents/MacOS/krita
    
  3. Execute o Krita:

    run
    
  4. Faça-o estoirar.

  5. Obtenha o registo de chamadas:

    thread backtrace all
    
  6. Grave o registo de chamadas num ficheiro de texto.

  7. No registo de chamadas, recomenda-se que retire todas as tarefas que sejam iguais a outras ou que pareçam não conter nenhuma informação adicional para colocar no comentário (para que fique facilmente acessível ao programador).

    Se achar que sabe qual a parte do registo de chamadas que é mais importante (normalmente é a tarefa com mais elementos), então corte-a e coloque este fragmento no relatório de erros como comentário. O registo de chamadas completo será necessário à mesma: anexe-o também ao relatório de erros.

    Se preferir não tomar essa decisão, basta anexar o ficheiro com registos de chamadas ao relatório do erro.

Resultado de texto do Krita

A maior parte dos resultados de texto do Krita pode ser recolhida através do Visualizador de Registos. A única excepção são as mensagens de arranque do Krita, pelo que não existe ainda nenhuma GUI, ou quando fechar ou estoirar, onde não será possível qualquer interacção com o utilizador após o ocorrido.

Através da GUI

  1. Vá à Configuração ‣ Áreas Acopláveis ‣ Visualizador de Registos.

  2. O primeiro botão à esquerda activa e desactiva o registo, por isso certifique-se que está carregado.

  3. Faça o que pretende para obter os resultados.

  4. Use o terceiro botão (a dica: Gravar o registo) para o gravar num ficheiro.

  5. Anexe o ficheiro ao relatório de erros.

A partir da consola

O uso da consola é a forma mais adequada de obter o resultado de texto do Krita. Esta forma é semelhante no macOS e no Linux.

Alterado na versão 5.0: Isto agora também é possível no Windows com o executável krita.com.

Nota

O executável krita.com inicia o Krita como um programa de linha de comandos com uma janela de consola. Isto não estava disponível antes da versão 5.0 do Krita. Se tiver uma versão mais antiga ou preferir usar o programa krita.exe sem uma janela de consola, veja o guia da DebugView.

  1. No macOS abra o Terminal.app; no Linux, abra o seu terminal ou aplicação de consola favorito. No Windows, abra uma Linha de Comandos, escrevendo cmd.exe no Menu Iniciar e carregando em Enter.

  2. Escreva a localização do executável Krita.

    # No Linux, se for instalado a partir dos repositórios:
    krita
    # No Linux, em todos os outros casos:
    #  (lembre-se que, se quiser referenciar um ficheiro a partir da pasta onde se encontra,
    #   terá de escrever: './nomeficheiro_krita' em vez de 'nomeficheiro_krita'
    #   e lembre-se que este ficheiro precisa de ter permissões de execução para o correr)
    localização/do/krita
    
    # No macOS:
    /Applications/krita.app/Contents/MacOS/krita
    
    REM  No Windows:
    REM  Por omissão, o cmd.exe irá preferir executar o .COM ao .EXE, pelo
    REM  que também poderá deixar a extensão de ficheiro .COM.
    "C:\Programas\Krita (x64)\bin\krita.com"
    
  3. Faça o que pretende para obter os resultados.

  4. Copie o conteúdo, grave num ficheiro e anexe-o ao relatório de erros.

A partir do DebugView

Para obter o resultado de texto no Krita em Windows, é necessário um programa externo chamado DebugView. Em comparação com o uso da consola, o DebugView tem a vantagem de incluir as datas/horas nos elementos do registo.

  1. Obtenha o DebugView caso não o tenha feito já. Carregue no texto azul a negrito e sublinhado Download DebugView (Obter o DebugView), para que se inicie imediatamente a transferência.

  2. O ficheiro que irá obter é um pacote .zip. O Windows 10 tem um gestor de pacotes ZIP já incluído. Basta extrair todos os ficheiros para qualquer lado. Poderá aprender mais sobre a extracção na página do manual de extracção para o Windows.

  3. Existe um ficheiro dentro do pacote chamado DbgView.exe (que poderá ver como DbgView, dependendo da sua configuração do sistema). Faça duplo-click sobre ele.

  4. Deixe o programa iniciar-se e abra o Krita.

  5. Faça as coisas das quais pretende obter os resultados.

  6. Mude para o DebugView e copie o conteúdo. Grave num ficheiro e anexe-o ao relatório de erros.