Modelos de Cores

O Krita tem muitos espaços e modelos de cores diferentes. Segue-se uma breve explicação de cada um deles, bem como os seus casos de uso.

RGB

Vermelho, Verde, Azul.

Estas são as cores primárias mais eficientes para a mistura de cores com base na luz, como os ecrãs dos computadores. A adição da luz Vermelha, Verde e Azul em conjunto resulta em Branco e, por este motivo, é chamada de roda de cores aditiva.

O RGB é usado para dois fins:

Imagens que são para ser vistas num ecrã:

  • Neste grupo, podem ser imagens para a Web, botões, avatars ou apenas imagens de portfólio.

  • Ou, no caso de jogos de computador, as imagens das personagens e texturas ficam melhores em RGB aí.

  • Ou, no caso da representação em 3D, efeitos visuais e animações gráficas.

Quanto ao espaço de trabalho, é um gamute RGB que é realmente grande e previsível, o que significa que é bom para a manipulação de imagens. Poderá usar isto num monitor com um perfil. Desta forma, poderá ter cores precisas, embora consiga à mesma vê-las correctamente em vários ecrãs.

Modos de mistura no RGB

Cor 1

Cor 2

Normal

Multiplicar

Ecrã

R

G

B

R

G

B

R

G

B

R

G

B

R

G

B

R & G

1,0

0,0

0,0

0,0

1,0

0,0

0,5

0,5

0,0

0,0

0,0

0,0

1,0

1,0

0,0

Cinzento

0,5

0,5

0,5

0,5

0,5

0,5

0,5

0,5

0,5

0,25

0,25

0,25

0,75

0,75

0,75

Modelos RGB: HSV, HSL, HSI e HSY

Estes não estão incluídos como espaços de cores próprios no Krita. Contudo, eles aparecem de facto nos modos de mistura e selectores de cores; por isso, vejamos uma breve introdução:

–Imagens da relação rgb-hsv etc.

Tom

O tom ou matiz de uma cor. Neste caso, se é vermelho, amarelo, verde, etc. A Matiz do Krita é medida em 360 graus, onde o 0 corresponde ao vermelho, o 120 ao verde e o 240 ao azul.

Saturação

Quão viva é uma cor. A saturação é ligeiramente diferente entre o HSV e os outros. No HSV, é uma medida da diferença entre as duas cores de base a serem usadas ou entre três cores de base. Nos outros, é uma medida de quão próxima uma cor está do cinzento e, em alguns casos, este valor chama-se Croma. A saturação vai de 0 (cinzento) até 100 (cor pura).

Valor

Algumas vezes referido como Brilho. É uma medida de quanto é que o pixel precisa de se iluminar. Também é medido de 0 a 100.

Iluminação

Onde é que uma dada cor se encontra alinhada com o branco ou o preto. Este valor é não-linear, e coloca as cores mais saturadas possíveis nos 50. O valor vai de 0 a 100.

Intensidade

Semelhante à luminosidade, excepto que confirma que o amarelo (1, 1, 0) é mais claro que o azul (0, 0, 1). O intervalo vai de 0 a 100.

Luma (Y”)

Semelhante à Luminosidade e Intensidade, com a diferença que aplica pesos sobre as componentes de vermelho, verde e azu com base nas medidas da vida real da quantidade de luz que uma cor reflecte para determinar a sua luminosidade. O seu valor vai de 0 a 100. O Luma é bastante conhecido pelo seu uso nos espaços de cores de filmes.

Tons de Cinzento

Este espaço de cores guarda apenas valores de cinzento. Isto é útil porque, ao só registar valores de cinzento, só precisa de um canal de informação, que por sua vez significa que a imagem fica muito mais leve em consumo de memória!

Isto é útil para as texturas, mas também para tudo o que precisa de ficar em tons de cinzento, como as bandas desenhadas a Preto e Branco.

Cor 1

Cor 2

Normal

Multiplicar

Ecrã

G

G

G

G

G

Cinzento

0,5

0,5

0,5

0,25

0,75

CMYK

Cíano, Magenta, Amarelo, Chave

Este é o espaço de cores das impressoras. Ao contrário dos computadores, as impressoras têm estas quatro cores, e a adição de todas gera preto em vez de branco. É por isso é que é chamado de espaço de cores “subtractivo”.

Cor 1

Cor 2

Normal

Multiplicar

Ecrã

C

M

Y

K

C

M

Y

K

C

M

Y

K

C

M

Y

K

C

M

Y

K

R & G

0,0

1,0

1,0

0,0

1,0

0,0

1,0

0,0

0,5

0,5

1,0

0,0

0,25

0,25

1,0

0,0

0,75

0,75

1,0

0,0

Cinzento

0,0

0,0

0,0

0,5

0,0

0,0

0,0

0,5

0,0

0,0

0,0

0,5

0,0

0,0

0,0

0,25

0,0

0,0

0,0

0,75

Existe também uma diferença entre o “cinzento colorido” e o “cinzento neutro”, dependendo do perfil.

25%

50%

75%

C

M

Y

K

C

M

Y

K

C

M

Y

K

Cinzento Colorido

0,25

0,25

0,25

0,25

0,5

0,5

0,5

0,5

0,75

0,75

0,75

0,75

Cinzento Neutro

0,0

0,0

0,0

0,25

0,0

0,0

0,0

0,5

0,0

0,0

0,0

0,75

../../_images/Cmyk_black_differences.png

No Krita, existe também o facto de que a cor predefinida é um preto perfeito no RGB, que é depois convertido para o nosso CMYK predefinido de uma forma engraçada, atribuindo um aspecto amarelo aos traços. Mais uma vez, outra boa razão para trabalhar em RGB e deixar que a conversão seja feita pela casa de impressão.

Embora o CMYK tenha um “gamute” mais pequeno que o RGB, continua a ser recomendado o uso de um perfil de espaço de trabalho em RGB para fazer as suas edições. Depois disso, poderá convertê-lo para o perfil CMYK da sua impressora, usando a tentativa de desenho por percepção ou colorimétrica relativa. Ou poderá ainda enviar a imagem RGB do espaço de trabalho para a sua impressora e deixar que seja ela a ter o trabalho.

YCrCb

Luminosidade, Croma-Vermelho, Croma-Azul

O YCrCb significa:

Y”/Y

Luma/Luminosidade; como tal, a quantidade de luz que uma cor reflecte.

Cr

O Croma Vermelho. Este valor mede quão vermelha é uma cor vs quão verde é.

Cb

O Croma Azul. Este valor mede quão azul é uma cor vs quão amarela é.

Este espaço de cores é frequentemente usado na fotografia e nas implementações (correctas) do JPEG. Como humano, é muito mais sensível à luminosidade das cores, e é por isso que o JPEG tenta comprimir os canais Cr e Ch, deixando o canal Y com toda a qualidade.

Aviso

O Krita não fornece nenhum perfil ICC para o YCrCb com a justificação que não existem perfis ICC de código aberto para este espaço de cores. É inútil sem ter um, e provavelmente não estará muito testado.

XYZ

Em 1931, o CIE (Institute of Color and Light) estava a estudar a percepção humana da cor. Ao fazê-lo, criaram os primeiros espaços de cores, sendo o XYZ o que mais se aproximava da visão humana.

É quase impossível explicar realmente o que é o XYZ.

Y

É igual ao verde.

Z

Semelhante ao azul.

X

É suposto ser vermelho.

O XYZ é usado como uma referência de base para todos os outros perfis e modelos. Todas as conversões de cores são feitas em XYZ e as coordenadas de todos os perfis correspondem ao XYZ.

L*a*b*

Significa:

L*

Iluminação, semelhante à luminosidade neste caso.

a*

O “a*” neste caso é a medida de quão magenta é uma cor vs quão verde.

b*

O “b*” neste caso é a medida de quão amarelo é uma cor vs quão azul.

O L*a*b* é suposto ser uma variedade mais compreensível do XYZ e é o mais “completo” de todos os espaços de cores. Normalmente é usado como um espaço de cores intermédio na conversão, mas ainda mais como o espaço de cores correcto onde efectuar o balanceamento de branco. É muito mais fácil ajustar o contraste e a tonalidade da cor no L*a*b*.

O L*a*b* é tecnicamente igual ao LAB do Photoshop. O mesmo usa em específico o CIELAB d50.

Filtros e modos de mistura

Talvez tenha reparado que os modos de mistura não funcionam como acontece no RGB ou no CMYK. Isto acontece porque os modos de mistura funcionam através de um conjunto de contas sobre as coordenadas das cores e, como as coordenadas das cores são diferentes por cada espaço de cores, os modos de mistura parecem diferentes.